Pegadas

Pegadas
Golgotha [Não atribuída]

Deixei ao tempo o rasto de quem sou
na areia de existir uma pegada
um passo nunca dado em que traçou
meu ser lacrimejante e húmida estrada

Moldados pés em traços que apagou
o mar nesse devir de paz salgada
são restos de um viver que ao ser levou
destroços do amor traços de nada

Por elas arrastei minhas vitórias
no trilho pelo mar roubado ao chão
por mim pisado outrora nas memórias (bis)

Não mais as praias loucas da ilusão
de ser cósmico grão despidas glórias
de ter no corpo nu alma e paixão

PEGADAS Golgotha mi- do re si- (la) Deixei ao tempo o rasto de quem sou na areia de existir uma pegada um passo nunca dado em que traçou meu ser lacrimejante e húmida estrada Moldados pés em traços que apagou o mar nesse devir de paz salgada são restos de um viver que ao ser levou destroços do amor traços de nada sol la fa#- si- Por elas arrastei minhas vitórias sol mi- la no trilho pelo mar roubado ao chão sol la fa#- si- sol mi- la por mim pisado outrora nas memórias (bis) sol la mi- sol la mi- sol Não mais as praias loucas da ilusão la mi- sol la de ser cósmico grão despidas glórias re fa#- si- sol mi- la de ter no corpo nu alma e paixão sol la fa#- si- sol mi- si- sol la re fa#- si- sol mi- la
Sem áudio disponível

Deixe uma resposta