Ouve-me

Ouve-me
Golgotha [Não atribuída]

Ouve-me, não corras assim
na tua rotina, sem meta nem fim.
Se parares um pouco e olhares para trás,
irás ver um louco se olhares para mim.

Ouve-me, não fiques aquém
do teu horizonte sem ver mais ninguém.
Eu não tenho rosto, nem o teu emprego,
teu fato e teu posto, e sou gente também.

Ouve-me, não fiques zangado
se eu peço esmola e não tens trocado.
Não sabes meu nome, reclamas meu cheiro
e não vês minha fome, meu nome é pecado.

Ouviste?
Ao passares por mim na rua da vida,
não corras assim.
Imagina que és tu que estás mendigando
triste só e nu,
ver-me-ás por fim.

mi- do sol (re)

sol re mi-/do re/si-
Ouve-me, não corras assim
mi-/do la- re
na tua rotina, sem meta nem fim.
sol re mi- do la-
Se parares um pouco e olhares para trás,
re sol re
irás ver um louco se olhares para mim.

Ouve-me, não fiques aquém
do teu horizonte sem ver mais ninguém.
Eu não tenho rosto, nem o teu emprego,
teu fato e teu posto, e sou gente também.

Ouve-me, não fiques zangado
se eu peço esmola e não tens trocado.
Não sabes meu nome, reclamas meu cheiro
e não vês minha fome, meu nome é pecado.

sol re mi- do
Ouviste?
la- re
Ao passares por mim na rua da vida,
si- re
não corras assim.
sol re
Imagina que és tu que estás mendigando
mi- do la-
triste só e nu,
re sol (re)
ver-me-ás por fim.

la- re sol
mi- la- re sol

Sem áudio disponível

Deixe uma resposta